Nado sincronizado do Brasil fica em 11º na final da rotina livre no Mundial

A equipe brasileira de nado sincronizado repetiu o desempenho das eliminatórias da rotina livre na final desta sexta-feira (31) e assegurou a 11ª colocação. As brasileiras somaram 85,2667 pontos (25,4000 na execução 34,6667 na impressão artística, e 25,2000 na dificuldade) e terminaram à frente da seleção dos Estados Unidos.

Na final, o Brasil foi representado por Beatriz Feres, Branca Feres, Lara Teixeira, Lorena Molinos, Maria Bruno, Maria Clara Coutinho, Pamela Nogueira e Sabrine Lowy. As reservas foram Luisa Borges e Maria Eduarda Miccuci.

A equipe conseguiu uma nota um pouco mais baixa do que nas eliminatórias, quando fez 85,3333 pontos. Ainda assim o desempenho das brasileiras foi superior ao dos Jogos Pan-Americanos, quando as brasileiras somaram 82,9000 e ficaram atrás das norte-americanas, que levaram a medalha de bronze.

Elas se apresentaram sob o tema "Carnaval" e ficaram bem próximas da décima colocada na disputa, a equipe da Grécia, que fez 85,8333 pontos. Assim, as atletas brasileiras exibiram satisfação com o resultado.

"Estamos com a sensação que fizemos tudo que a gente podia e estamos satisfeitas. A nossa treinadora já falou que fizemos uma boa nadada e sentimos isso. Nós crescemos muito desde o começo do período de treino. Fizemos algumas alterações do Pan até aqui, melhoramos e estamos confiantes no trabalho", analisou Maria Bruno.

A seleção da Rússia confirmou o seu favoritismo e levou a medalha de ouro, com 98,4667 pontos. As russas venceram todas as disputas da rotina livres por equipes desde a sua introdução no programa do Mundial, em 2007.

Além disso, a Rússia passa a somar sete medalhas de ouro em oito eventos do nado sincronizado já realizados em Kazan. A prata ficou com a China, com 96,1333 pontos, seguida pelo Japão, que assegurou o bronze com 93,9000 pontos, em uma disputa acirrada com a Ucrânia, superada por apenas 0,2 pontos.

A disputa do nado sincronizado no Mundial de Esportes Aquáticos prossegue neste sábado com a disputa da final da rotina livre combinada. O Brasil avançou para a disputa de medalha com a décima colocação.

SALTOS ORNAMENTAIS - A China faturou nesta sexta-feira a sua sétima medalha de ouro na disputa dos saltos ornamentais em Kazan. He Chao venceu a disputa do trampolim de três metros com 555,05 pontos. O russo Ilya Zakhaov levou a prata, com 547,60 pontos, enquanto o bronze foi para o britânico Jack Laugher, com 528,90. O brasileiro César Castro foi o 14º colocado nas semifinais e garantiu sua classificação para a Olimpíada de 2016, mesmo que não tenha avançado à final.

QUADRO DE MEDALHAS - Com o domínio de russos e chineses no nado sincronizado e nos saltos ornamentais, respectivamente, os países lideram o quadro de medalhas do Mundial, iniciado em 24 de julho. A China está à frente com sete ouros, sete pratas e três bronzes, enquanto a Rússia soma sete ouros, três pratas e um bronze.

O Brasil já conquistou duas medalhas. O País faturou uma prata, na disputa por equipes da maratona aquática, e um bronze, com Ana Marcela Cunha, na maratona aquática de 10 quilômetros.

Informações Adicionais

Veja Baixa Grande