Operação Harem: quadrilha investigada por tráfico de mulheres escolhia vítimas por fotos nas redes sociais

O grupo investigado por tráfico internacional de mulheres e exploração sexual escolhia as vítimas por meio de fotos nas redes sociais, informou a Polícia Federal na delegacia de Sorocaba (SP), responsável pela Operação Harem BR.

De acordo com a polícia, os criminosos se passavam por representantes de marcas de maquiagem e produtos de beleza. Assim, atraíam as vítimas com propostas de emprego.

A investigação mostrou que o grupo agia no Brasil e também no exterior. A PF estima que o grupo tenha aliciado pelo menos 200 mulheres, entre elas menores de idade.

Seis pessoas foram presas, quatro no Brasil, em Foz do Iguaçu (PR), São Paulo (SP), Goiânia (GO) e Rondonópolis (MT), uma em Portugal e outra na Espanha.

Uma mulher foi presa na Espanha. Ela é apontada como a "despachante" do grupo, responsável por facilitar e falsificar a documentação para enviar as vítimas a outros países.

Os nomes dos investigados são mantidos em sigilo durante o processo, informou a PF. A investigação deve ouvir 20 pessoas durante esta semana, entre vítimas e testemunhas.

Os mandados de busca e apreensão foram cumpridos nas cidades de São Paulo (SP), Goiânia (GO), Foz do Iguaçu (PR), Venâncio Aires (RS), Lauro de Freitas (BA) e Rondonópolis (MT).

g1ba

Informações Adicionais

Veja Baixa Grande