Família de Baixa Grande acusa advogado de agredir pai de moradora dentro de condomínio em Feira de Santana; ele nega

Uma família acusa um advogado de agredir o pai da moradora de um condomínio com socos e pontapés, depois de uma discussão, na cidade de Feira de Santana, a cerca de 100 quilômetros de Salvador. A vítima fraturou a perna e teve que fazer uma cirurgia.
O caso ocorreu no final da tarde de sábado (25). O advogado foi deixar a namorada em casa, de carro, e, segundo os moradores, saiu do condomínio em uma velocidade acima da permitida no condomínio, de 10 km por hora.

Um grupo de moradores teria alertado a garota sobre os riscos de dirigir naquela velocidade no local, o que gerou discussão. O advogado então teria voltado ao local, a pedido da namorada e, conforme os relatos, agredido o pai de uma moradora.

Segundo a polícia, o suposto agressor afirmou que voltou para o condomínio depois que a namorada ligou para dizer que foi agredida por uma moradora e pela mãe dela. Ele diz ainda que, quando voltou, foi agredido pelo pai, pela mãe e pela moradora. O advogado disse ainda que o pai da moradora teria caído e por isso teria fraturado a perna.
Um vídeo mostra a agonia da família para socorrer o pai da moradora, Marcos Antonio Silva, de 54 anos. Segundo familiares, ele deve passar por nova cirurgia em oito dias.

A filha de Marcos, Bruna Suzart, diz que foi agredida ao defender o pai. Ela tem fotos que mostram marcas vermelhas no peito e no braço. “Parece que eu via meu pai morrendo naquela situação. Eu quis tirar ele da situação e puxei ele pela camisa. Foi onde (o advogado) me agrediu com vários murros e arranhões, junto com a namorada dele, que é moradora do condomínio”, afirma Bruna.

“O dia-a-dia meu e da minha família vai ter que mudar por conta de um cidadão que agiu desse jeito. Só quero que a justiça seja feita”, afirma a mãe de Bruna, Raquel Suzart.
O delegado titular da 2ª Delegacia Territorial (DT), Fabrício Linard, informou que será instaurado um inquérito policial para apurar o ocorrido.

Os moradores do condomínio ficaram preocupados com o caso. “Poderia ter sido com um pai meu ou algum parente. Da forma que ele saiu com o veículo, poderia ter atropelado o filho de alguém ou até minha filha, minha esposa e a mim”, diz o morador Thiago Almeida.
A administração do condomínio vai abrir um processo administrativo e apurar o que aconteceu. A namorada do advogado é inquilina de um dos apartamentos. “Se entender que (ela) não deva fazer parte do condomínio, vai acionar o proprietário para que rescinda o contrato”, diz o advogado do condomínio, Alexandre Nascimento.

[G1 BA]

www.vejabaixagrande.com.br

Informações Adicionais

Veja Baixa Grande