PM é indiciado por morte de garota de 6 anos baleada em operação na Bahia

Um dos policiais militares envolvidos na operação que deixou uma criança de 6 anos morta, no bairro de São Caetano, em Salvador, foi indiciado por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, mas assume o risco do crime. A informação foi divulgada pela Polícia Civil nesta sexta-feira (14). O caso aconteceu em março deste ano.

De acordo com a polícia, o exame de balística revelou que o tiro que atingiu a menina Mirela do Carmo Barreto partiu da arma do policial militar, uma pistola ponto 40, que foi entregue para perícia após o ocorrido. Conforme a polícia, o inquérito, que dependia de resultados de perícias, foi encaminhado ao Ministério Público da Bahia (MP-BA) no dia 30 de junho.

Segundo a polícia, a Justiça deve decidir se irá ou não pedir a prisão do policial, identificado como Aldo Santana do Nascimento, que é lotado na 9ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM/Pirajá). Em nota, a Polícia Militar infomrou que a Corregedoria da Corporação instaurou um Procedimento Administrativo (PAD) e o policial foi afastado da função. Em relação aos outros policiais envolvidos na operação, segundo a PM, não há nenhum processo que aponte contra conduta deles, que contuam trabalhando normalmente.
Em entrevista ao G1, nesta sexta-feira, o pai de Mirela informou que ainda não tinha tomado conhecimento do afastamento do PM e nem da conclusão do inquérito policial. Emocionado, o vigilante Robenilton de Jesus Barreto disse que espera que a justiça seja feita.
"A gente quer que ele [PM] seja expulso da corporação. Uma pessoa dessa não tem condições de trabalhar como policial. Eu queria saber o que deu na cabeça dele para atirar assim para cima. Minha filha era uma criança alegre, cheia de vida, e teve a vida tirada por um policial despreparado. Uma criança que não estava doente, não estava na rua, estava dentro da sua própria casa", disse Robenilton.

Quatro meses após a morte da filha, Robenilton e a mulher, que é dona de casa, ainda não voltaram para o imóvel onde moravam com Mirela, lugar onde ela foi baleada. "As lembranças são muitas. Mirela estava em todos os momentos com a gente. [A perda] é muito difícil, sofrida" disse Robenilton.

[G1 BA]

www.vejabaixagrande.com.br

Informações Adicionais

Veja Baixa Grande